Proteção legal ao Aleitamento Materno e ao direito de amamentar e de ser amamentado

A legislação brasileira é considerada das mais avançadas na proteção ao aleitamento materno e ao direito da criança à amamentação nos seis primeiros meses, exclusivamente no peito materno, e até dois anos ou mais com a adição de outros alimentos líquidos e sólidos.

A Constituição Federal garante à mulher que trabalha fora do lar a licença maternidade e o direito à garantia no emprego à gestante e durante o período de lactação. Às presidiárias  a Constituição assegura condições para que possam permanecer com seus filhos durante o período de  amamentação.

Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) assegura o direito à creche  para que as mulher possa amamentar seu filho, bem como o direito, durante a jornada de trabalho, a dois descansos especiais, de meia hora cada um, para amamentar a criança.

O  Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e o Código de Defesa do Consumidor (CDC), como legislação correlata,  contemplam, em diversos artigos, o direito da criança quanto à amamentação e a comercialização de alimentos a ela destinados.

Em cumprimento às normas constitucionais e legais de proteção ao aleitamento materno,  o  Ministério da Saúde por seus diversos órgãos e  a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária vêm ao longo do tempo aperfeiçoando métodos e condutas, com instrumentos próprios (Resoluções, Portarias etc.)

O Brasil  assinou  Declaração  de   Innocenti,  Código   de   conduta ,  em  1º  de  agosto  de  1990,  na   Itália,  durante  Encontro  internacional   que   reuniu   grupo   de  Formuladores   de   políticas   de   saúde   de Governos   agências   bilaterais   e   da Organização das Nações Unidas (ONU), para a proteção e incentivo ao aleitamento materno.

Em síntese, na proteção legal ao aleitamento materno, pode ser destacado o seguinte:

Licença maternidade

À empregada gestante é assegurada licença de 120 dias consecutivos, sem prejuízo do emprego e da remuneração, podendo ter início no primeiro dia do nono mês de gestação, salvo antecipação por prescrição médica.

(Constituição Federal – artigo 7º  inciso XVIII)

Direito à garantia no emprego

É vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa da mulher trabalhadora durante o período de gestação e lactação, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto.

(Ato das disposições  constitucionais transitórias -   artigo 10 – inciso II, letra  b)

Direito à creche

Todo estabelecimento que empregue mais de trinta mulheres com mais de 16 anos de idade deverá ter local apropriado onde seja permitido às empregadas guardar sob vigilância e assistência os seus filhos no período de amamentação.

Essa exigência poderá ser suprida por meio de creches distritais

mantidas, diretamente ou mediante convênios, com outras entidades públicas ou privadas como SESI, SESC,  LBA, ou de entidades sindicais.

(Consolidação das Leis  do  Trabalho – artigo 389 – parágrafos 1º e 2º)

Pausas para amamentar

Para amamentar o próprio filho, até que este complete seis meses de idade, a mulher terá direito, durante a jornada de trabalho, a dois descansos especiais, de meia hora cada um. Quando exigir a saúde do filho, o período de seis meses poderá ser dilatado a critério da autoridade competente.

(Consolidação das Leis  do  Trabalho  – artigo 396 – parágrafo único)

 

NBCAL (Norma brasileira de comercialização de alimentos para lactentes e crianças de primeira infância,  bicos, chupetas e mamadeiras)

Resoluções nº 221 e 222, de 05/08/2002, da  AGÊNCIA  NACIONAL  DE  VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA), em vigor pleno desde 06/02/2003.  São normas de caráter protetivo = condutas técnicas que se revelam como ações de políticas públicas.

Resumo dos avanços na legislação

I – Alojamento Conjunto

1982 -  portaria 18 do INAMPS / MINISTÉRIO DA SAÚDE – estabelecendo a obrigatoriedade do alojamento conjunto.

1986 – portaria do MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – tornando obrigatório o alojamento conjunto nos hospitais universitários.

1992- portaria GM / MINISTÉRIO DA SAÚDE nº 1016 – que obriga hospitais e maternidades vinculados ao SUS, próprios e conveniados, a implantarem alojamento conjunto (mãe e filho juntos no mesmo quarto, 24 horas por dia).

II – Normas de Comercialização

1988 -  resolução nº 5, do Conselho Nacional de Saúde, elaborada com base no Código Internacional para comercialização de substitutos do leite materno.

1990 – Código de Defesa do Consumidor

1992 – Resolução nº 31, do Conselho Nacional de Saúde, novo texto, incluindo na NBCAL -  Norma de Comercialização de Alimentos para lactentes item específico sobre o uso de bicos e mamadeiras

1992 – Acordo Mundial assinado pelo UNICEF e  ORGANIZAÇÃO MUNDIAL  DE SAÚDE com a Associação Internacional de fabricantes de alimentos, para cessar o fornecimento gratuito  a baixo custo de leite artificiais a maternidades e hospitais.

2002 – NBCAL  Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para lactentes e crianças de primeira infância, bicos, chupetas e mamadeiras (Resoluções nº 221 e 222 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA)

III – Hospital Amigo da Criança

1994 -  Portaria nº 1113, do MINISTÉRIO DA SAÚDE,  assegurando pagamento de 10% a mais sobre assistência ao parto a hospitais amigos da criança, vinculados ao SUS

1994 – Portaria nº 155 da Secretaria de Assistência à Saúde, MINISTÉRIO DA SAÚDE, estabelecendo os critérios para o credenciamento dos hospitais como amigos da criança.

                                                                                   (Roberto Heck,  advogado, em Ribeirão Preto)

2 Comentários

  1. gostaria de saber se as estudantes tem direito de amamentar o filho, pois foi proibida de entrar na entidade de ensino com o meu filho, quando ele ainda tinha 4 meses. Foi dado um ultimato ou eu ia sozinha ou não mais estudaria. Foi mandada ao conselho tutelar, me sinti ameaçada mas não achei uma resposta. pois não vejo que eu estava fazendo algo de ruim, eu só queria amamentar e poder estudar.

  2. gostaria de saber se as estudantes tem direito de amamentar o filho, pois foi proibida de entrar na entidade de ensino com o meu filho, quando ele ainda tinha 4 meses. Foi dado um ultimato ou eu ia sozinha ou não mais estudaria. Foi mandada ao conselho tutelar, me sinti ameaçada mas não achei uma resposta. pois não vejo que eu estava fazendo algo de ruim, eu só queria amamentar e poder estudar.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


oito + 8 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>